Menu

Daily Archives: Outubro 1, 2019

Políticas de Temer e Bolsonaro afundaram indústria brasileira

A implantação da política neoliberal de Temer após o golpe de 2016 e, mais recentemente, o endurecimento desse sistema econômico por Bolsonaro estão afundando um setor fundamental para o país: a indústria brasileira. Em reportagem, o jornal O Estado de S. Paulo publicou, nesta terça-feira (01), que as atividades nas fábricas brasileiras caíram 15% nos últimos 5 anos, enquanto subiram 10% no resto do mundo no mesmo período.

Impossibilitada de governar desde meados de 2015 – quando o golpe foi gestado pela oposição – Dilma foi praticamente impedida de administrar pelo golpistas que já atuavam nos bastidores do Congresso e enterravam medidas positivas para o país apresentadas por sua equipe. Após o golpe de Estado em 2016, o país passou a sofrer cada vez mais com as políticas neoliberais de Temer e o desaquecimento do setor.

Outros fatores recentes também contribuíram para a contínua derrocada da indústria nacional, entre eles estão as quedas nas exportações para a Argentina, a tragédia do rompimento da barreira da Vale em Brumadinho (MG) e a greve dos caminhoneiros em maio de 2018.

O cenário tende a piorar ainda mais com as políticas neoliberais e entreguistas de Bolsonaro e Paulo Guedes. Segundo fonte do Estadão, o país corre o risco até mesmo de sair do Top 10 no ranking mundial. “Vem da entidade (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) o alerta de que o Brasil, que ocupa a nona posição entre os maiores países indústrias, pode deixar, em breve, de aparecer entre os dez primeiros desse ranking”, afirmou o economista Rafael Cagnin para o jornal.

Indústria abandonada

O desgoverno Bolsonaro vem afundando a indústria desde o início da gestão, provavelmente pela falta de um plano econômico substancial. Em abril deste ano foi registrada queda na atividade industrial de 3,9% no comparativo com o mesmo mês do ano passado. Já no acumulado dos quatro primeiros meses do ano, o recuo foi de 2,7% entre 2018 e 2019. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Meses depois, em julho, os dados do IBGE continuaram a demonstrar queda; na comparação com julho de 2018, o declínio foi de 2,5%.

Em setembro, o relatório Mercado Focus do Banco Central divulgou que os economistas do mercado financeiro projetaram uma retração de 0,29% na produção industrial total de 2019. A péssima gestão de Bolsonaro, o ambiente de baixo crescimento econômico e o alto nível de desemprego afetaram drasticamente a demanda por produtos industriais e, consequentemente, o investimentos no setor.

Da Redação da Agência PT de Notícias com informações de O Estado de S. Paulo

Iran relembra participação do PT na Constituinte

A Assembleia Legislativa de Sergipe comemora a partir desta terça-feira, 1º de outubro, os 30 anos da Constituição do estado de Sergipe, com uma vasta programação a exemplo de uma exposição no hall da Alese e um simpósio no Tribunal de Justiça de Sergipe. Na sessão de hoje, o deputado Iran Barbosa (PT) destacou a contribuição do Partido dos Trabalhadores na elaboração da Constituínte.

“Quero parabenizar quem está à frente da organização do evento aqui na Casa, que vamos iniciar na manhã de hoje, mas há uma coisa que não pode passar em branco: o momento em que a Constituição de Sergipe foi feita, estava efervescente aqui na nossa sociedade, a contribuição do meu partido. Falando na condição de líder o PT aqui na Casa, informo que o partido tinha dois representantes na Assembleia: os deputados Marcelo Déda e Marcelo Ribeiro”, relembra.

Iran Barbosa acrescentou que naquele momento houve a contribuição de outros partidos também. “Mas quero destacar a contribuição que o Partido dos Trabalhadores deu na elaboração desta Constituição que está em vigor no estado de Sergipe. São capítulos sobre o meio ambiente, sobre a educação; capítulos que tratam da cultura e que tiveram a marca muito profunda do debate e da contribuição não só dos parlamentares petistas, mas também da assessoria do PT, pois tínhamos um método de trabalho diferente. Era a concepção partidária que predominava”, enfatiza destacando a participação da assessoria parlamentar, Elda Góis.

“Eu quero de forma especial estender os cumprimentos aos funcionários da Casa, que ajudaram a produzir essa Constituição e aos assessores dos parlamentares que também deram uma contribuição muito importantes. A história é para ser rememorada e cada vez mais reforçada. O PT teve uma contribuição significativa na escrita, na construção da Constituição, com debates qualificados e a apresentação de mais de mil emendas, muitas delas incorporadas”, complementa.

Por Aldaci de Souza – Rede Alese

A oposição vai apresentar seis destaques para impedir perversidades da Reforma da Previdência, anuncia o Senador Rogério Carvalho, vice-líder do PT

Foi em uma reunião no gabinete da presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Simone Tebet (MDB/MS), que a oposição negociou a apresentação de seis destaques (propostas de modificação) para a votação da Previdência.

O vice-líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE) que foi um dos que conduziu as conversas e afirmou que outros destaques podem surgir dos parlamentares que se consideram independentes. Mas garante que o acordo formalizado se refere apenas ao primeiro turno da votação.

“Todos os destaques serão votação nominal. O que for destacado na Comissão, a gente destaca no plenário”, esclarece o Senador Rogério Carvalho.

Dos pontos apresentados, o Partido dos Trabalhadores vai combater as perversidades referentes à aposentadoria por invalidez, o Partido Rede Sustentabilidade pedirá a mudança no cálculo do benefício, o PDT definiu que os cortes nos abonos do PIS/Pasep precisam ser alterados. O PROS manifestou um destaque contra dos impactos nas aposentadorias especiais. Há ainda proposta de modificação do PSB.

O Senador Rogério Carvalho revela a intenção de capitalização que está por trás dos benefícios não previsíveis como a aposentadoria por invalidez. Estes benefícios podem ser administrados pelos bancos privados.

“40% dos recursos da Previdência vêm destas aposentadorias. E os bancos querem gerir a nossa poupança. Nós estamos tirando de quem sequer tem comida na mesa para dispor ao mercado financeiro. Que a gente faça justiça ao povo brasileiro.”, sugere o Senador que se preocupa com os prejuízos ao trabalhador.

A proposição será discutida e votada ainda hoje, em primeiro turno, na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e no plenário do Senado.

Se algum destaque for acatado, a matéria terá que retornar à Câmara dos Deputados, que deu início ao projeto.

Fonte: senadorrogerio.com.br