Menu

Alma Feminina: uma história em construção (Artigo 2)

Agora tenho um desafio muito grande nessa biografia, tentar encontrar a melhor forma de começar a contar a minha história; acredito que posso tentar começar mostrando como é formada a minha família.

Minha mãe se chama Elisabete e veio morar ainda nova aqui na cidade de Estância, nasceu em Niterói no estado do Rio de Janeiro;  já o meu pai que se chamava Marcos Liberal, veio de Campos Sales no Ceará para Estância em busca de fazer novos negócios, construir a vida, logo que chegou abriu um crediário, tipo de comércio aonde ele ia vendendo mercadorias de casa em casa por vários povoados de cidades vizinhas e depois um cobrador passava para poder ir recebendo valores referente à compra que a pessoa fez, durante muitos anos foi bem próspero com esse tipo de negócio.

Quando minha avó engravidou do meu avô, ele não pode registrar minha mãe, pois ele já tinha outra família e ela só teve contato com a família quando já era um pouco mais velha, isso lá mesmo em Niterói no Rio de Janeiro. Assim a minha mãe foi criada por um outro marido da minha avó que é pai da minha tia mais nova, recebeu muito carinho de qualquer forma e por causa da vida difícil minha mãe passou a valorizar a educação como único meio de mudar de vida e garantir estabilidade, assim sempre se dedicou muito aos estudos, mesmo com tudo contra a sua formação, fome, falta de estrutura, trabalho, venceu tudo e conseguiu. Então depois de um tempo minha vó Marina resolveu vir embora aqui para Sergipe e aqui minha mãe conseguiu convencer vó a matricula-la em uma das melhores escolas da cidade na época e ali conclui o magistério, alguns anos depois passou em concurso e se tornou professora. Para resumir a história da família pela parte da minha mãe a gente pode dizer que com minha avó materna eu tenho cinco tios. Por parte do meu avô paterno, vô Jorge, são oito tios, três mulheres e mais cinco homens.

O importante nesse momento é vocês entenderem que foi a junção da minha mãe que veio diretamente lá de Niterói com esse histórico de família e que quando chegou aqui se encontrou com o meu pai, ele veio diretamente lá do interior do Estado do Ceará, região do Cariri.  Meu pai nasceu em Recife, capital do Estado de Pernambuco, mas na verdade a família é de Campos Sales no Ceará e a minha avó Bela (Elizabete) foi dar à luz na capital de Pernambuco que fica mais próximo do que a própria capital cearense que é Fortaleza. Da minha paterna falta apresentar meu avó Pedro em memória de quem me lembro sempre em suas reuniões para jogar baralho no quintal de sua casa no Ceará e ainda tenho quatro tios paternos. Meu pai foi de família com uma boa condição financeira, um típico filho de pessoas com influência numa cidade pequena; mas decidiu que queria construir seu próprio caminho, então veio embora para Sergipe e ao longo dos anos acabou construindo uma família extensa de nove filhos sendo de quatro relacionamentos diferentes.

Acredito que assim dá para entender um pouquinho melhor a configuração familiar, a partir do momento em que eu pude me entender como gente nós já tínhamos uma convivência em que os meus irmãos por parte de pai sempre frequentaram nossa casa, viajávamos juntos e inclusive fomos a Campos Sales no Ceará várias vezes, em uma das viagens meu pai inclusive levou sozinho quase todos os filhos, uma viagem memorável e que também merece um capítulo à parte.

Related Posts

LEAVE A COMMENT