Menu

Políticas de Temer e Bolsonaro afundaram indústria brasileira

A implantação da política neoliberal de Temer após o golpe de 2016 e, mais recentemente, o endurecimento desse sistema econômico por Bolsonaro estão afundando um setor fundamental para o país: a indústria brasileira. Em reportagem, o jornal O Estado de S. Paulo publicou, nesta terça-feira (01), que as atividades nas fábricas brasileiras caíram 15% nos últimos 5 anos, enquanto subiram 10% no resto do mundo no mesmo período.

Impossibilitada de governar desde meados de 2015 – quando o golpe foi gestado pela oposição – Dilma foi praticamente impedida de administrar pelo golpistas que já atuavam nos bastidores do Congresso e enterravam medidas positivas para o país apresentadas por sua equipe. Após o golpe de Estado em 2016, o país passou a sofrer cada vez mais com as políticas neoliberais de Temer e o desaquecimento do setor.

Outros fatores recentes também contribuíram para a contínua derrocada da indústria nacional, entre eles estão as quedas nas exportações para a Argentina, a tragédia do rompimento da barreira da Vale em Brumadinho (MG) e a greve dos caminhoneiros em maio de 2018.

O cenário tende a piorar ainda mais com as políticas neoliberais e entreguistas de Bolsonaro e Paulo Guedes. Segundo fonte do Estadão, o país corre o risco até mesmo de sair do Top 10 no ranking mundial. “Vem da entidade (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) o alerta de que o Brasil, que ocupa a nona posição entre os maiores países indústrias, pode deixar, em breve, de aparecer entre os dez primeiros desse ranking”, afirmou o economista Rafael Cagnin para o jornal.

Indústria abandonada

O desgoverno Bolsonaro vem afundando a indústria desde o início da gestão, provavelmente pela falta de um plano econômico substancial. Em abril deste ano foi registrada queda na atividade industrial de 3,9% no comparativo com o mesmo mês do ano passado. Já no acumulado dos quatro primeiros meses do ano, o recuo foi de 2,7% entre 2018 e 2019. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Meses depois, em julho, os dados do IBGE continuaram a demonstrar queda; na comparação com julho de 2018, o declínio foi de 2,5%.

Em setembro, o relatório Mercado Focus do Banco Central divulgou que os economistas do mercado financeiro projetaram uma retração de 0,29% na produção industrial total de 2019. A péssima gestão de Bolsonaro, o ambiente de baixo crescimento econômico e o alto nível de desemprego afetaram drasticamente a demanda por produtos industriais e, consequentemente, o investimentos no setor.

Da Redação da Agência PT de Notícias com informações de O Estado de S. Paulo

Author

Wash

Wash

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, texercittion ullamco laboris nisi ut aliquip

Related Posts

LEAVE A COMMENT

Make sure you enter the(*) required information where indicated. HTML code is not allowed

Theme Settings