Menu

inquérito sobre morte de Gabriel Diniz em acidente aéreo continua sem conclusão

Possível dano ambiental no local onde aeronave caiu e matou o cantor Gabriel Diniz será analisado — Foto: Marcos Rodrigues/ASN/Divulgação/Arquivo

Possível dano ambiental no local onde aeronave caiu e matou o cantor Gabriel Diniz será analisado — Foto: Marcos Rodrigues/ASN/Divulgação/Arquivo

A Polícia Federal (PF) em Sergipe ainda não conseguiu concluir a apuração sobre o acidente com a aeronave que há seis meses vitimou o cantor Gabriel Diniz e dois pilotos, no Povoado Porto do Mato, em Estância (SE).

No dia 27 de maio, Gabriel Diniz e os pilotos Abraão Farias e Linaldo Xavier estavam a caminho de Maceió (AL) na aeronave Piper Cherokee PT-KLO, fabricada em 1974, com capacidade para quatro pessoas, e pertencente ao Aeroclube de Alagoas, que caiu em Sergipe. Diniz é intérprete da música ‘Jenifer’, grande hit do último verão.

De acordo com a PF, foi pedida uma nova prorrogação do prazo de finalização da investigação à Justiça Federal, pois o atraso na entrega de laudos adia a conclusão do inquérito. O prazo para a finalização, que inicialmente era de 30 dias após o acidente, passa para fevereiro de 2020.

Em nota, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) informou que a investigação terá o menor prazo possível e que tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram. Além disso, a necessidade de descobrir todos os fatores contribuintes garante a liberdade de tempo para a investigação.

Em junho, parte da fuselagem do avião foi devolvida ao proprietário, que ficou com o motor e o trem de pouso e vendeu o restante das peças de alumínio e ferro para um depósito de material reciclável em Aracaju.

Revólver encontrado no local do acidente — Foto: Adema/Arquivo

Revólver encontrado no local do acidente — Foto: Adema/Arquivo

No mesmo mês, técnicos da Administração Estadual do Meio Ambiente de Sergipe (Adema) encontraram objetos e novos destroços da aeronave. Foram encontrados um tablet, uma bateria, óculos, peças menores da aeronave e uma arma de fogo (que ainda não foi identificada a quem pertence).

Em agosto, o Aeroclube de Alagoas retomou as instruções de voo. As operações da instituição tinham sido suspensas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) desde o acidente aéreo que matou dois pilotos e o cantor Gabriel Diniz.

Avião estava regular na Anac mas não tinha autorização para táxi aéreo

Avião que caiu com Gabriel Diniz — Foto: Reprodução

Avião que caiu com Gabriel Diniz — Foto: Reprodução

À época, a Anac abriu investigação porque havia indícios de irregularidade nas operações do Aeroclube de Alagoas. Embora a aeronave estivesse em situação regular, ela só poderia fazer voos de treinamento ou de instrução, era proibida para o táxi aéreo.

A Anac informou que o processo de investigação se houve ou não táxi aéreo ainda está em curso, porém em fase final. Somente após a conclusão será possível verificar os encaminhamentos. Ao final da apuração, a agência pode encaminhar denúncia ao Ministério Público e à polícia para que sejam tomadas medidas no âmbito criminal.

Dados do Registro Aeronáutico Brasileiro que mostram que o avião onde estava Gabriel Diniz não poderia fazer táxi aéreo — Foto: Reprodução

Dados do Registro Aeronáutico Brasileiro que mostram que o avião onde estava Gabriel Diniz não poderia fazer táxi aéreo — Foto: Reprodução

O Aeroclube chegou a afirmar que o cantor estava de carona com os pilotos. Contudo, o pai do piloto Abraão Farias negou que Gabriel Diniz estivesse de carona. Segundo Erivaldo Farias, o voo foi fretado por R$ 4 mil.

Mapa mostra local da queda de avião — Foto: Arte G1/Roberta Jaworski

Mapa mostra local da queda de avião — Foto: Arte G1/Roberta Jaworski

 

Related Posts

LEAVE A COMMENT