Menu

Brasil e Mundo

Pastor é suspeito de atirar contra delegada e filhos na Grande Messejana

Delegada e filhos são baleados no Curió; marido da vítima é suspeito do crime.


O suspeito é pastor. Ele atirou contra a própria cabeça, foi socorrido em estado grave, mas não resistiu aos ferimentos

Brasil tem 114 mortes e 3.904 casos confirmados de coronavírus, diz ministério

O Ministério da Saúde divulgou neste sábado (28) o mais recente balanço dos casos da Covid-19, doença causada pelo coronavírus Sars-Cov-2. Os principais números são:

  • 114 mortes
  • 3.904 casos confirmados
  • 2,8% é a taxa de letalidade
  • São Paulo concentra 1.406 casos, e o Rio, 558

O balanço acrescentou 22 mortes e 487 casos confirmados ao total. No balanço anterior, da sexta-feira (27), o Brasil tinha 92 mortes e 3.417 casos confirmados.

Das 22 mortes acrescentadas ao total no país neste sábado, o estado de São Paulo teve 16 mortes. Já são 84 mortes em SP.

De acordo com o Ministério da Saúde, até as 15h, havia 569 pessoas internadas com confirmação para Covid-19 no país. O números consideram as pessoas cujos resultados dos testes já foram apresentaram e testaram positivo. O número não considera casos suspeitos.

Este é o segundo maior aumento diário de casos confirmados no Brasil até agora. Na sexta-feira, foram 503 novos casos.

Durante seu pronunciamento na apresentação dos dados, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que não tem covid-19. Ele afirmou que faz o teste com frequência e até agora todos deram negativo.

Casos de coronavírus no Brasil — Foto: Arte G1

Por G1Casos de coronavírus no Brasil — Foto: Arte G1

Bebê de 1 ano é infectado pelo novo coronavírus

Roraima registrou 16 casos positivos para a Covid-19, informou o governador do estado, Antonio Denarium (PSL), na noite deste sábado (28). Os quatro novos infectados são de Boa Vista. Um bebê de um ano é um dos pacientes.

Ainda não foi divulgado como o bebê teve contato com o vírus. Todos os quatro novos casos estão em isolamento domiciliar, informou a Secretaria estadual de Saúde (Sesau).

“Os quatro novos casos referem-se a um casal de 32 e 30 anos que estavam em viagem pelo exterior, um homem de 35 anos que teve contato com um caso positivo e uma criança de um ano de idade que teve contato com caso positivo.”

No período de uma semana, o número de contaminados pelo vírus subiu de 2 para 16 em Roraima. Os dois primeiros casos, que já se curaram da doençaforam confirmados no último sábado (21). Os pacientes tinham viajado para São Paulo.

Entre os 16 infectados está um idoso de 60 anos. Ele estava em casa, mas passou mal na manhã deste sábado e foi levado ao Hospital Geral de Roraima, onde está internado em estado grave na UTI.

Do total de diagnósticos positivos, 13 são de pacientes em Boa Vista e três de Bonfim, município ao Norte do estado, na fronteira com a Guiana.

Para conter o avanço da pandemia do coronavírus em Roraima, a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (MDB) e o governador, Antonio Denarium (PSL), decretaram medidas restritivas ao comércio na intenção de evitar aglomeração de pessoas – as regras, no entanto, foram flexibilizadas e passaram a ser delivery e drive thru.

Aulas também foram suspensas na rede estadual, municipal e pública de ensino. Órgãos públicos cessaram atendimento presencial a população e governo federal fechou as fronteiras com a Venezuela, em Pacaraima, e Guiana, em Bonfim.

Por Juliana Dama e Valéria Oliveira, G1 RR — Boa Vista  / Fonte: Sesau — Foto: Dado Ruvic/Reuters/Arquivo

Caminhoneiros ameaçam parar se o comércio não reabrir

Grupo de caminhoneiros diz que não vai correr risco sozinho e assume o discurso bolsonarista de que a economia precisa voltar a funcionar.


O Brasil 247 teve acesso a vídeos de grupos de caminhoneiros bolsonaristas afirmando que vão fechar todas as estradas e a população passará fome por falta de produtos. No vídeo, caminhoneiros ameaçam manifestantes que fazem panelaços contra o governo Bolsonaro e dizem que a população vai bater panela por falta de comida

247 – Líderes de caminhoneiros estão fazendo circular nas redes sociais vídeos criticando o isolamento social estabelecido como forma de combater o coronavírus, conforme orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em um deles, fazem uma ameaça direta: não mandar caminhões para as ruas e as estradas. Não vão abastecer a mesa da população, alegando que eles próprios “passam fome”.

O Brasil 247 teve acesso a vídeos de grupos de caminhoneiros bolsonaristas anunciando que vão fechar todas as estradas e que a população passará fome por falta de produtos.

O tom dos caminhoneiros é ameaçador para com manifestantes que têm feito diariamente panelaços contra o governo de Jair Bolsonaro.

Jornal Alerta

São Paulo registra uma morte a cada duas horas e 20 minutos

Subiu para 68 o número de mortes pelo novo coronavírus no estado de São Paulo nesta sexta-feira (27), média de uma a cada duas horas e 20 minutos, segundo o secretário da Saúde de São Paulo, José Henrique Germann. O estado possui ainda 1.223 casos confirmados, aumento de 14% em relação ao dia anterior.

O aumento percentual foi menor do que o de quarta para quinta-feira, quando houve acréscimo de 22%.

Em cinco dias, o número de óbitos cresceu 209%. No último domingo (22), o estado registrava 22 mortes, contra 68 nesta sexta-feira (27). Municípios da Grande São Paulo e do interior também registram óbitos.

Dos 10 novos óbitos contabilizados nesta sexta, 4 são homens (66, 67, 91 e 93) e 6 mulheres (63, 63, 65, 77, 85 e 89). Nove são da capital e um do município de Guarulhos.

De acordo com o secretário da Saúde, pode estar havendo “achatamento da curva”. “Precisamos de mais algumas semanas para fazer previsões mas temos observado que a curva de São Paulo tem taxa de crescimento menor que a do Brasil”, disse Germann

“Crescimento de 457% desde inicio de março em São Paulo e do Brasil mais de 937%”, completou.

“As medidas tomadas pelo governo do estado estão em linha com a literatura e com as demais historias de epidemias que se conhece, de evitar as aglomerações”, disse.

Aumento de casos graves

O secretário estadual de saúde, José Henrique German disse nesta quinta-feira (26) que os casos de pacientes graves internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) após serem infectados pela Covid-19 aumentaram 42% em 24 horas no estado de São Paulo.

“Os pacientes graves internados em UTI são agora 84. Neste último dia houve um acréscimo de 42%. Isso é mais ou menos característico da epidemia, ela tem dias de mais acréscimo e dias de menos acréscimo. Mas ela vem crescendo, o que mostra talvez para nós que as medidas de restrição de mobilidade estão sendo suficientes ou, pelo menos colaborando de forma bastante efetiva, para que a gente tenha 862 casos”, afirmou Germann.

De acordo com ele, esse crescimento de mortos e pacientes graves é característico de uma epidemia. “Nós éramos praticamente 90% dos casos do Brasil e agora nós somos 30% dos casos do Brasil. O que significa que existe uma expansão da epidemia de forma acelerada. Se nós formos olhar o número de óbitos, nós tivemos no Brasil 57 óbitos, infelizmente, e no estado de São Paulo, 48. No estado de São Paulo ontem eu anunciei 40 óbitos, então, tivemos um acréscimo de 20% no número de óbitos”, disse.

Representantes do comitê estadual de combate ao novo coronavírus em São Paulo afirmam que as medidas de restrição de circulação adotadas nas últimas semanas foram eficazes e ajudaram a conter a curva de crescimento de casos confirmados no estado. Segundo Helena Sato, médica que coordena o comitê, “muito provavelmente haveria um número muito maior [de casos] se as nossas famílias não estivessem em casa”.

Em pronunciamento na terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro criticou medidas de isolamento adotadas por estados e municípios. Na quarta-feira (25), Bolsonaro discutiu com o governador de São Paulo, João Doria.

Quarentena

O estado de São Paulo adota estratégias de restrição de circulação contra o coronavírus desde 16 de março. A quarentena começou na terça-feira (24) e vai durar 15 dias, até o dia 7 de abril, para os 645 municípios do estado de São Paulo.

A medida obriga o fechamento do comércio e mantém apenas os serviços essenciais, como nas áreas de Saúde e Segurança. Assim, os hospitais, clínicas, farmácias e clínicas odontológicas, públicas ou privadas, terão o funcionamento normal.

As transportadoras, armazéns, serviços de transporte público, serviços de call center, petshops, bancas de jornais, táxis e aplicativos de transporte continuam funcionando com as orientações dos sanitaristas.

Os serviços de Segurança Pública, tanto estadual, quanto municipais, continuam funcionando normalmente. Os bancos e lotéricas também continuam abertos. As indústrias devem continuam operando, já que não têm atendimento ao público em geral.

Dicas de prevenção contra o coronavírus — Foto: Arte/G1

Por G1 SP — São Paulo— Foto: Arte/G1

Itália tem quase mil mortes causadas pela Covid-19, o recorde diário

O número de mortes na Itália por causa do Covid-19, a doença causada pelo coronavírus aumentou em 919, disse a agência de proteção civil nesta sexta-feira (27). Até agora, 9.143 pessoas morreram por conta da epidemia no país.

É o recorde para um único dia. Antes, havia sido o 21 de março, quando 793 pessoas haviam morrido. No entanto, 50 delas são referentes à mortes de quinta-feira, na região do Piemonte, que foram contabilizadas nesta sexta-feira.

Nos últimos dias, os números foram os seguintes:

Na Itália, muita gente ainda segue desrespeitando a quarentena

Na Itália, muita gente ainda segue desrespeitando a quarentena

Prefeito de Milão

A região mais atingida é a da Lombardia, onde fica a cidade de Milão. Lá, houve 5.402 mortes.

No dia 22 de março, durante uma entrevista à TV RAI, o prefeito de Milão, Giuseppe Sala, afirmou que errou ao divulgar, no fim de fevereiro, um vídeo que dizia que a cidade não pode parar.

“Muitos se referem àquele vídeo que circulava com o título ’Milão não Para’. Era 27 de fevereiro, o vídeo estava explodindo nas redes, e todos o divulgaram, inclusive eu. Certo ou errado? Provavelmente, errado”, ele afirmou à RAI no domingo (22).

Ainda não chegou o pico

As infecções de coronavírus na Itália não atingiram seu pico, disse Silvio Brusaferro, chefe do Instituto Superior de Saúde do país nesta sexta-feira (27).

Os números mais recentes da pandemia no país são 8.215 mortes e 80.589 infectados. O balanço da quinta-feira foi de 712 mortos nas 24 horas anteriores.

“Não atingimos o pico e não passamos dele”, disse Brussaferro.

Ele disso que há, no entanto, sinais de uma desaceleração no número de pessoas que estão ficando infectadas, o que sugere que o pico não está longe. Depois disso, os novos casos vão entrar em tendência visível de queda.

“O nosso comportamento vai influenciar em quão íngreme vai ser a queda, quando ela começar”, afirmou ele, em uma referência à aderência dos italianos às restrições ao movimento impostas pelo governo.

Mortes na Espanha

A Espanha é o segundo país da Europa mais atingido pela pandemia. Lá, foram 769 mortes nas últimas 24 horas. Ao todo, são 4.858 mortes.

Por G1 — Foto: Claudio Furlan/LaPresse via AP

Papa reza só e concede indulgência plenária por pandemia de coronavírus

O Papa rezou nesta sexta-feira (27) sozinho diante da imensa praça vazia de São Pedro e deu a bênção e a indulgência plenária ao mundo pela pandemia de coronavírus que o assola. Não há registro de gesto semelhante na história do Vaticano.

Foi um ritual inédito, durante o qual dará a bênção “Urbi et Orbi” (à cidade e ao mundo) a todos os fiéis.

A bênção permite que mais de 1,3 bilhão de católicos obtenham a indulgência plenária, ou seja, o perdão de seus pecados, em um momento tão difícil, com medidas de confinamento que afetam mais de 3 bilhões de pessoas.

A bênção extraordinária Urbi et Orbi é a mesma que os pontífices costumam transmitir apenas em 25 de dezembro e no domingo de Páscoa, datas em que se lembra o nascimento e a morte de Jesus.

A imagem do chefe da Igreja católica orando sozinho diante da imensa esplanada pelo fim da guerra contra um inimigo invisível é quase cinematográfica.

Papa reza na Praça São Pedro vazia nesta sexta-feira (27) — Foto: Reuters/Guglielmo Mangiapane

Papa reza na Praça São Pedro vazia nesta sexta-feira (27) — Foto: Reuters/Guglielmo Mangiapane

Um evento extraordinário

“Se trata de um evento extraordinário presidido pelo papa, em um momento específico, quando o mundo cai de joelhos pela pandemia. Um momento de graça extraordinária que nos dá a oportunidade de viver esse tempo de sofrimento e medo com fé e esperança”, explicou o Vaticano em uma nota.

Desde que a epidemia de coronavírus eclodiu na Europa, o Papa Francisco se pronunciou em várias ocasiões, lembrando em particular dos médicos e enfermeiros, que estão na linha de frente da luta, e pedindo aos padres para acompanhar os doentes e moribundos.

Francisco, que teve que limitar suas ações e agenda para evitar possíveis contágios, se prepara para celebrar a primeira Semana Santa da era moderna, sem fiéis nem procissões.

Por G1

Famílias ficam desabrigadas em Santana do Ipanema, AL

Por Michelle Farias, G1 AL

Casas são destruídas em Santana do Ipanema após nível do rio subir

Casas são destruídas em Santana do Ipanema após nível do rio subir

Dezenas de famílias ficaram desabrigadas na cidade de Santana do Ipanema, Sertão de Alagoas, após o transbordamento do Riacho Camoxinga e do Rio Ipanema, por causa das fortes chuvas atingem a região. Segundo o Corpo de Bombeiros, água e lama invadiram as casas. Não há registro de mortos.

No total, 33 militares estiveram no local e ajudaram as pessoas a saírem das suas casas. Segundo os Bombeiros, 40 pessoas que ficaram desabrigadas foram levadas para a Igreja de São Cristóvão.

Outras pessoas foram para a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal). Não há estimativa da quantidade total de pessoas que tiveram que deixar suas casas

Transbordamento de riacho deixa desabrigados em Santana do Ipanema

Transbordamento de riacho deixa desabrigados em Santana do Ipanema

Defesa Civil alertou aos moradores das casas perto do riacho que o volume de água deve aumentar. Os bombeiros e técnicos da prefeitura, junto à Defesa Civil de Santana do Ipanema, monitoram a situação.

O morador da região, José Evaldo Silva diz que a população viveu dias de desespero. “Foi muito difícil à noite. Tinha um alerta de um grande volume de água de manhã, mas só chegou à noite. O nível da água subiu muito e foi até uns 3 metros nas casas mais próximas”, lamenta.

Ele conta ainda que os moradores estão assustados com a previsão de mais chuvas. “Falaram da outra barragem que transbordou, então vai vir muita água, assim como ontem. Tem muita gente desabrigada, que perdeu seus móveis. Casas foram destruídas”, diz.

G1 ALAGOAS

Theme Settings