Assistência Social de Aracaju tenta identificar morador em situação de rua que morreu por Covid-19

Assistência Social de Aracaju tenta identificar morador em situação de rua que morreu por Covid-19

Por Anderson Barbosa, G1 SE

Vigilância Sanitária tenta identificar homem em situação de rua que morreu de Covid-19

Vigilância Sanitária tenta identificar homem em situação de rua que morreu de Covid-19

sétima morte registrada em Sergipe por Covid-19 é de um homem com nome, idade e história desconhecidas pelas autoridades em saúde pública do município de Aracaju.

O corpo do morador em situação de rua foi sepultado como indigente, nesta segunda-feira (20), seguindo os protocolos do Ministério da Saúde, no Cemitério São João Batista, Zona Sul da capital.

Quando foi encontrado estava sem documentação e foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Depois, encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento Nestor Piva, na Zona Norte, onde passou os últimos momentos de vida, falecendo neste domingo (19), como informou a Secretaria Municipal da Saúde.

Agora, as equipes da Secretaria da Assistência Social trabalham para identificar quem seria essa pessoa, que não era usuária dos serviços municipais que atendem a população de rua.

De acordo com a secretária da Assistência Social de Aracaju, Simone Passos, até esta quarta-feira (22), este era o único caso confirmado do novo coronavírus entre os atendidos nos alojamentos do município.

Antes mesmo da pandemia, Aracaju já fornecia espaços para abrigar este público, como o Projeto Acolher. Com o avanço da doença na capital, que até o fechamento desta matéria somava 74 casos, outras medidas foram tomadas.

“Fizemos uma parceria com o governo do estado, no Espaço do Migrante, onde temos vagas para pessoas em situação de rua. Durante a pandemia criamos quatro espaços: Freitas Brandão – uma escola onde abrigamos os homens em situação de rua sem vínculo familiar, o Sabino Ribeiro – abrigando as famílias, o Centro Espírita Laura Amazonas – abrigando idosos e o antigo Cras Terezinha Meire (Bairro Olaria) – abrigando mais população em situação de rua. Temos cerca de 165 pessoas nesses espaços”, explica.

Simone Passos completou que tem uma parceria com a Secretaria da Saúde, através do Consultório na Rua, que faz um trabalho de identificação, e caso alguém precise de isolamento, a secretaria possui um espaço reservado.

Ela conta que quando as equipes da secretaria estão nas ruas enfrentam a dificuldade de atrai-los para os abrigos. Muitos resistem, alegando que a rua ainda é o melhor local. “Nossas equipe de abordagem continuam fazendo esse chamamento, essa sensibilização, pois ainda temos capacidade de recebê-los”, afirma.

administrator

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Powered by