O Cartão Mais Inclusão (CMAIS) se tornou um benefício permanente pago pelo Governo de Sergipe. É que na última quinta-feira, 17, os deputados estaduais aprovaram por unanimidade o Projeto de Lei nº 321/2020, que dispõe a reestruturação do programa que distribui R$ 100,00 mensais para que as famílias enquadradas na extrema pobreza, pudessem comprar gêneros alimentícios na rede credenciada Banese.

Mudança foi aprovada por todos os deputados estaduais

Com a aprovação do texto, que seguiu para a sanção do governador Belivaldo Chagas (PSD), a Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese) estima que com isso o Governo de Sergipe garanta a segurança alimentar de mais de cinco mil famílias que tiveram sua situação de vulnerabilidade agravada durante a pandemia.

Segundo o líder do Governo de Sergipe na Alese, deputado Zezinho Sobral (PODE), o benefício do CMAIS encerraria neste mês de dezembro, já que era ofertado pelo Governo Federal por força da Lei Complementar 173/ de maio 2020. No entanto, com a reestruturação da iniciativa, o programa passará a ser custeado pelo  Fundo de Combate à Pobreza de Sergipe.

“Com isso, o CMAIS, que hoje atende há 25 mil famílias em caráter emergencial, funcionará de forma permanente, atendendo até o limite de 6 mil famílias”, declarou o líder do governo. Zezinho ainda esclareceu que a  previsão de despesas para o CMAIS será de  R$ 6 milhões por mês. 

No plenário da Alese, a atitude do Governo do Estado também foi parabenizada  pelo deputado Francisco Gualberto (PT). “Só quem passou fome como eu, que já comi farinha com açúcar, sabe a importância da aprovação de um projeto desse”, externou Gualberto, ao tempo em que parabenizou os colegas parlamentares pelo voto de unanimidade.