Caminhoneiros marcam paralisação para 1º de fevereiro contra alta no diesel

Caminhoneiros marcam paralisação para 1º de fevereiro contra alta no diesel

Manifestação foi aprovada pelo Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) em dezembro do ano passado

Caminhoneiros organizam uma paralisação geral para o próximo dia 1º de fevereiro. O ato foi aprovado em reunião do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) em dezembro do ano passado.

Ao Metrópoles, o diretor-presidente do CNTRC, Plínio Nestor Dias, explicou que a manifestação não tem caráter político — ao contrário de vídeo que circula em uma rede social que diz que a pauta é contra os governadores.

O protesto foi aprovado por transportadores rodoviários de cargas, associações, sindicatos e cooperativas que fazem parte do conselho. “Temos em torno de 30 a 40 mil pessoas envolvidas no CNTRC”, estima Plínio.

Outra liderança do setor, o motorista caminhoneiro Alexandre Batista Patricio, ex-candidato a vereador de Paulínia (SP), disse que ainda vai discutir com colegas de profissão se vai aderir à greve.

“Não sei o que vai virar isso daí. Vou chamar os meus parceiros e ver o que fazer. Acho que não é uma hora propícia para isso, mas o governo está procurando. Óleo diesel subiu de novo. Então, está meio complicado”, conta.

Pautas

Os caminhoneiros protestam contra a alta do preço do combustível (em dezembro, o óleo diesel S10 era encontrado, em média, a R$ 3,683 no país, segundo dados da ANP) e o projeto de lei (PL) da BR do Mar.

Nesse sentido, em uma tentativa de reduzir o valor do combustível, os motoristas de caminhão se mostram contrários à Política de Preço de Paridade de Importação (PPI) aplicado pela estatal Petrobras.

Desde março de 2019, após a greve dos caminhoneiros, a Petrobras aplica reajustes nas refinarias no preço do óleo diesel a cada 15 dias (antes, isso era feito diariamente). “Tratamento abusivo”, protestam.

“Não tem como a gente pagar um combustível equiparado ao dólar pois nunca vai fechar a conta. Se colocar 200 litros de diesel dá quase R$ 1 mil. Está muito massacrante, os caminhoneiros já não aguentam mais”, diz Plínio.

Os motoristas pedem também a instituição de um piso mínimo de frete e o Código Identificador da Operação de Transporte (Ciot) “para todos”. O código ajuda a regulamentar e fiscalizar o pagamento do valor do frete.

Veja a íntegra da pauta aprovada no conselho:

Governo

Procurado, o Ministério da Infraestrutura informou que todos os temas citados fazem parte de uma agenda permanente de diálogo entre a pasta e as principais entidades representativas da categoria por meio do Fórum do Transporte Rodoviário de Cargas (TRC), além de reuniões com lideranças da categoria.

“O restabelecimento do fórum, desde 2019, tem sido o principal canal interativo entre governo e setor e qualquer associação representativa que deseje contribuir para a formulação da política pública pode requerer a sua participação para discutir eventuais temas de interesse da categoria”, afirmou.

O diretor-presidente do CNTRC, Plínio Nestor Dias, disse, contudo, que desde o ano passado tenta uma reunião com o secretário nacional de Transportes Terrestres, coronel Marcello da Costa Vieira, mas não obtém sucesso.

Com informações do site Metrópoles I Tácio Lorran e Michael Melo

administrator

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Powered by