Sergipe Repórter

Delegada Danielle Garcia chega ao Podemos para rachar. Já foi repelida localmente, mas…

A delegada da Polícia Judiciária de Sergipe, Danielle Garcia, ex-candidata a prefeita de Aracaju pelo Cidadania no ano passado, chega ao Podemos em ato de filiação às 12h30 desta terça-feira, 20, no Restaurante Paisano, Avenida Oviedo Teixeira, 500, ao fundo do Parque da Sementeira.

E, pelas reações do comando do Podemos no Estado, Danielle Garcia chega para contrariar e rachar o partido. Ela  foi repelida localmente pela Executiva, mas entesa a asa com o apoio da Executiva Nacional.

Certamente atropelado por essa Executiva Nacional em suas prerrogativas de dirigente local, o presidente da Executiva Estadual de Sergipe, deputado estadual Zezinho Sobral, senti e reagiu ao golpe.

“A filiação da delegada Danielle Garcia ao Podemos é um ato da Executiva Nacional, sem a concordância da Executiva Estadual e das Municipais. Atualmente, o Podemos Sergipe segue uma linha política que não é a mesma da filiação realizada pela Nacional”, disse ele, numa nota à imprensa distribuída nesta segunda.

Portanto, pela nota de Zezinho Sobral, Danielle Garcia não é bem-vinda ao Podemos por não estar em sintonia com alguns alinhamentos da sigla em Sergipe. “Isso contraria o planejamento estratégico do próprio partido, assim como as regras do compliance sugeridas e propostas para todos os diretórios”, afirma o dirigente.

Então o que farão os velhos “podemistas” de Sergipe diante dos neo “podemistas” chegantes? “Vamos aguardar e avaliar o desfecho dessas questões e, em reuniões internas, definir que posição tomar a respeito”, responde Zezinho, na nota. Nesta segunda-feira, ele estava na cidade de São Paulo, em agenda pessoal.

Mas seguiu reclamando. “Lamentamos que a necessidade de composição de membros do Congresso Nacional, imposta pela legislação eleitoral, promova esse tipo de ato que combina mais com a velha política do que com os novos modelos de transparência, participação e construção coletiva”, esperneia Zezinho, ainda na nota.

Política é assim: enquanto Zezinho Sobral esperneia, a presidente nacional do Podemos, deputada federal por São Paulo Renata Abreu, gargalha alto. “Que baita conquista é a chegada da Danielle em nosso Podemos. É uma mulher determinada, que não foge de desafios, corajosa e capacitada”, diz Renata.

“Sua carreira profissional é pautada pela seriedade, ética e compromisso. E na política, também já mostrou ser líder nata, alinhada com os anseios da população. Estamos muito felizes com seu ingresso no Podemos”, reitera Renata Abreu. Danielle só não é “alinhada” aos interesses de Zezinho Sobral, que está mais para os encantos de Edvaldo Nogueira, PDT, e é líder do governador Belivaldo Chagas, PSD, na Alese – e Belivaldo foi o cabo eleitoral número um de Edvaldo na disputa com Danielle em 2020.

A filiação de Danielle Garcia fez o senador Alessandro Vieira, Cidadania, impostar importância. “Amanhã avançamos na renovação política de Sergipe, com a filiação de Danielle Garcia no Podemos, partido parceiro no Senado e que agora se soma no projeto do nosso grupo em Sergipe. É mais uma opção para os sergipanos que desejam mudar de verdade. Agora é Cidadania23 e Podemos19!”, propagandeou ele em nota no twitter.

Quem não gostou mesmo da perda de Danielle pelo Cidadania, e se pareceu perplexo com isso, foi o presidente nacional desse partido, Roberto Freire. Interpelando Alessandro no Twitter, Freire foi direto ao ponto.

“Estamos perplexos. Não entendi? Não era ela a grande liderança e futura candidata a deputada federal aí em Sergipe pelo nosso Cidadania? O que aconteceu?”, questionou. Sim, Alessandro? “O que aconteceu?”.

Danielle Garcia, 44 anos, obteve 42,14% dos votos válidos no segundo turno do ano passado e tem dito que está aberta para disputar qualquer mandato eletivo dos disponíveis em 2022 – o que equivale aos de governadora do Estado, vice-governadora, senadora, deputada federal ou estadual.

Danielle Garcia é formada em Direito pela Universidade Federal de Sergipe e foi diretora do Departamento de Combate a Crimes contra a Ordem Tributária e à Administração Pública – Deotap/SE -, coordenou o Laboratório de Tecnologia no Combate à Lavagem de Dinheiro, fez parte da equipe de Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça – DRCI/SNJ -, e foi instrutora em cursos promovidos pela Secretaria Nacional de Segurança Pública – Senasp -, vinculada ao Ministério da Justiça.

Com informações do site JL POLITÍCA

Related Articles

Abra aqui
Posso ajudar?