Sergipe Repórter

Duas pessoas são indiciadas pelo crime de incêndio com morte no Nestor Piva

Quase cinco meses após o incêndio que atingiu a ala destinada para tratamento de pacientes da Covid-19, no Hospital Nestor Piva, em Aracaju, a Polícia chega a um desfecho do caso com o indiciamento de duas pessoas pelo crime de incêndio culposo, qualificado pelo resultado de morte. Cinco vítimas morreram em decorrência do incêndio ocorrido no dia 28 de maio.

No entendimento da Polícia Civil, os responsáveis pelo incêndio são o proprietário da empresa prestadora de serviço de eletricidade, que montou a estrutura elétrica da unidade, assim como uma sócia-administradora do centro médico responsável pela gestão do Hospital, que segundo a polícia, deveria zelar pela manutenção da unidade. Os nomes dos indicados e das suas respectivas empresas não foram divulgados pela Polícia.

A delegada Rosana Freitas explicou o desfecho do inquérito. “Além da prova técnica, as oitivas possibilitaram a identificação de que esse serviço teria sido realizado por uma empresa terceirizada contratada pelo cento médico para execução de serviços de eletricidade na unidade de saúde. Foi indiciado o proprietário da empresa prestadora de serviço e a sócia-administradora do centro médico, uma vez que cabia a essa outra empresa, zelar pela manutenção da unidade hospitalar”, pontua.

Conforme a delegada, as conclusões foram embasadas essencialmente no laudo pericial produzido pelo Instituto de Criminalística, que apontou a possível causa do incêndio a sobrecarga de tomadas elétricas que teriam sido instaladas de forma inadequada.

O crime prevê pena de até quatro anos para os indiciados. O inquérito policial será agora submetido ao Ministério Público de Sergipe (MPSE), que poderá oferecer denúncia à Justiça ou questionar elementos do inquérito em nova fase de apuração.

Related Articles

Abra aqui
Posso ajudar?