Sergipe Repórter

Governistas vão de Laércio Oliveira pro Senado, e Jackson Barreto se diz “constrangido e insatisfeito”

O grupo governista do Estado de Sergipe, liderado pelo governador Belivaldo Chagas, PSD, e pelo pré-candidato ao Governo, deputado federal Fábio Mitidieri, PSD, vai indicar o deputado federal Laércio Oliveira, PP, como pré-candidato único ao Senado nas eleições deste ano.Essa possibilidade se tornou realidade na tarde desta sexta-feira, 22, depois que o ex-governador Jackson Barreto, MDB, admitindo-se “constrangido e insatisfeito”, decidiu que se fosse para ir à disputa do Senado com duas candidaturas ele estaria fora do páreo.

E assim o fez, renunciando à perspectiva de se candidatar paralelamente a Laércio Oliveira, PP, como estava sendo encaminhado pelo agrupamento em que ambos militam. “Deixei muito claro que essa questão de duas candidaturas de um só grupo não tem a menor pertinência”, disse Jackson Barreto com exclusividade à Coluna Aparte no começo da noite desta sexta.

“Fiz a seguinte análise: Alessandro Vieira é candidato a governador, e tem uma candidatura única ao Senado. Nosso amigo advogado Henri Clay Andrade disputará o sozinho Senado por uma candidatura ao Governo, que é a de Niully Campos. Valmir de Francisquinho tinha como candidato Eduardo Amorim ao Senado. Rogério Carvalho disputa o Governo tendo somente a Valadares Filho como candidato a senador. Só o nosso grupo que tem dois candidatos a senador. Que tal? Isso é um desserviço claro ao grupo. Como é que se vai dividir o eleitorado para dois? É assim que se ganha?”, exemplifica Jackson Barreto.

Laércio Oliveira: por renúncia de Jackson, vira candidato exclusivo dos governistas ao Senado

“Portanto, acabei de me reunir com o governador Belivaldo Chagas, com o prefeito Edvaldo Nogueira, com Fábio Mitidieri, com André Moura, com Luciano Bispo e com Fernando Carvalho, representando Laércio Oliveira, e comuniquei que de forma definitiva não sou candidato a senador. Que não participarei da eleição. Saí constrangido e insatisfeito, sim, pelo fato de que o nosso agrupamento não chegou à conclusão de que teria de ser uma única candidatura”, complementa. Estiveram também na reunião o deputado estadual Luciano Bispo, o secretário de Agricultura Zeca da Silva e o pré-candidato a deputado estadual Jorginho Araújo, PSD.

Lulista compulsivo, Jackson Barreto traz à cena da eleição de Sergipe a eleição nacional, na qual ele acha que deve-se combater, de todas as formas, as ameaças ao estado democrático de direito que vêm da possibilidade de reeleição de Jair Messias Bolsonaro à Presidência da República.

“Quando penso também nessa candidatura de senador do nosso lado, penso sobretudo nas necessidades democráticas do plano nacional. Eu hoje não coloco na minha cabeça a eleição de governador em primeiro lugar, porque os governadores estão aí, mas quem manda nas sacanagens desse país – desculpe-me pela palavra -, quem põe em risco a democracia e a liberdade desse país, é o louco do presidente da República”, diz.

Lula: na visão de Jackson, nessa eleição o ente mais importante do que os interesses estaduais

“Portanto, a questão principal se chama o fortalecimento do projeto de Lula à Presidência da República. Por que Lula é a promessa de fortalecimento da democracia e da comida na mesa para socorrer a pobreza que está aí morrendo de fome com mais de 30 milhões de pessoas em inanição”, diz o ex-governador sergipano. JB foi candidato ao Senado em 2018 e terminou em quarto lugar, atrás de André Moura, Rogério Carvalho e Alessandro Vieira.

Diplomático como raramente se posta, Jackson Barreto fez todas essas ponderações críticas sem tocar no nome de Laércio Oliveira, embora indiretamente o esteja criticando por ser esse um bolsonarista assumido. E nem fustigou o grupo no qual faz política. “Eu não quero acusar o grupo de estar negligenciando essas coisas”, disse

“O que eu quero ressaltar é que eu sou o primeiro lugar em todas as pesquisas pro Senado. Eu tenho o triplo da intenção de voto de Laércio, e por que o grupo ao invés de ter a mim como candidato único, teria nós dois? Para acontecer o que aconteceu na eleição passada? Para cada um cuidar de si e me deixar sozinho?”, fustigou ele. Só dessa vez citou o nome de Laércio.

Mas a não disputa do Senado lhe faz deixar de lado a candidatura de Fábio Mitidieri, perguntou-lhe a Coluna Aparte. “Essa questão é muito complexa e eu ainda vou resolvê-la. Me comprometi com o próprio Fábio de comunicar qualquer decisão minha a ele diretamente”, disse Jackson.

Fonte: Site JL POLÍTICA

Related Articles

Posso ajudar?