Sergipe Repórter

Justiça de SE determina que IPHAN cumpra decisão de realizar estudos técnicos e retirar canoa de tolda que afundou no Rio São Francisco em Alagoas

Em nota, o instituto informou que já foram iniciadas as pesquisas para encontrar locais em que a canoa possa ser guardada de forma segura.

O juiz federal de Sergipe, Edmilson da Silva Pimenta, determinou, nesta segunda-feira (21), que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), cumpra decisão já proferida pelo Tribunal Regional Federal (TRF), da quinta região, sobre a Canoa de Tolda Luzitânia.

De acordo com a decisão, em até 72 horas, o IPHAN deve realizar estudos técnicos e retirar, do São Francisco, a embarcação, que é a última canoa de tolda em navegação no país e patrimônio histórico nacional. A canoa ficou submersa desde que a vazão do rio atingiu quatro mil metros cúbicos de água por segundo. Os mastros foram amarrados pela ONG Canoa de Tolda. Em caso de descumprimento, o juiz estipulou uma multa diária de R$ 3 mil.

Em nota, o IPHAN informou que, apesar do tombamento federal, a responsabilidade pela conservação, uso e gestão da embarcação é da Sociedade Socioambiental do Baixo São Francisco Canoa de Tolda, que vem realizando um conjunto de ações para reflutuação e remoção da canoa e que, no dia 2 de fevereiro, a pedido do instituto, a Capitania dos Portos esteve no local onde está a embarcação para elaborar um relatório técnico.

O instituto afirmou também que solicitou à Marinha do Brasil uma lista de empresas aptas a executar o procedimento de reflutuação e, estas, solicitaram dados técnicos sobre a localização e o atual estado da embarcação.

Ainda segundo o órgão, já foram iniciadas as pesquisas para encontrar locais em que a canoa possa ser guardada de forma segura. E, para viabilizar as ações de resgate e remoção da embarcação, foi aprovada uma ação emergencial para liberar recursos.

Por g1 SE

Related Articles

Posso ajudar?