Sergipe Repórter

O início da infedilidade nas redes sociais

Não é nenhuma operação complexa definir a origem da infidelidade. Não depende de nenhum truque adivinhatório e macete psicanalítico.

Reprodução

 

A traição tem o seu início quando você passa a apagar as mensagens do WhatsApp. Se está apagando é que sabe que fez algo errado, que falou o que não devia, que passou do ponto, que abriu a guarda.

Ao deletar o histórico de um bate-papo e sumir com as próprias palavras, já tem a consciência do perigo daquele contato.

Você automaticamente se condenou, percebeu que existe um farto potencial para a sua companhia concluir de que se trata de um novo romance.

Conhece muito bem a sua namorada ou namorado, a sua esposa ou marido, para antecipar o que será dito a respeito da conversinha mole.

Se avaliou o material como ameaça à relação ou como gerador de ciúme, era para logo dar um basta ao mi-mi-mi.

As regras da monogamia são claras. Não existe meio-termo, atenuantes, desculpas.  Sedução é traição, assim como um beijo é traição, assim como o sexo é traição. 

Eliminar o conteúdo do celular tampouco trará tranquilidade, apenas lhe deixará com mais pinta de culpado.

O correto é voltar lá e desfazer insinuações, esclarecer as entrelinhas e  objetivamente mostrar que não está a fim.   

Remover as provas é dar seguimento para o erro, é proteger o flerte com o anonimato, é guardar a escada para depois pular a cerca, é assumir o risco de envolvimento, por mais que diga que não é nada, que só ocultou para não perder tempo explicando e que desejava evitar brigar por bobagem.

Quem não deve não teme, não precisa de modo algum adulterar os fatos. Deixa tudo documentado, registrado, do jeito que aconteceu.

WhatsApp editado é deslealdade I POR FABRÍCIO CARPINEJAR I O GLOBO

Related Articles

Abra aqui
Posso ajudar?