Sebastião Salgado lança petição para evitar ‘genocídio indígena’

Sebastião Salgado lança petição para evitar ‘genocídio indígena’

PARIS – Já em dificuldades em tempos normais face às crescentes invasões de suas terras, as comunidades indígenas da Amazônia se veem ameaçadas pela progressão do Covid-19 na região — alvo de alertas do Ministério Público Federal (MPF) e de diversas entidades indigenistas.

Para endossar a urgência da causa, o fotógrafo Sebastião Salgado, que passou os últimos sete anos fotografando na Amazônia, tema de sua próxima exposição, organizou um manifesto para que os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário brasileiros intervenham e evitem um extermínio indígena por conta da pandemia.

Ouça o áudio:‘As coisas estão fora de controle’, diz coordenador de saúde indígena do Alto Solimões

O apelo de Salgado, em forma de petição, será lançado neste domingo com a assinatura de mais de 60 personalidades nacionais e internacionais. O manifesto alerta para a precária assistência em comunidades indígenas e para a preocupação com as consequências de um contágio em massa. O MPF já havia ressaltado, ao solicitar medidas imediatas de órgãos públicos, que“viroses respiratórias foram vetores do genocídio indígena em diversos momentos da história do país”.

Funai:Coordenador de índios isolados omite atuação em projeto missionário de evangelização

— A situação é muito grave. Se o coronavírus chegar às comunidades indígenas, será um genocídio, porque elas não têm os mesmos anticorpos que possuímos para as doenças europeias, de brancos. A responsabilidade do Brasil será muito grande se isso ocorrer, e o país será levado às cortes internacionais por não ter tomado posição em relação a populações em perigo, julgado e condenado — afirma Salgado, que está de quarentena em sua casa, em Paris.

Entre os signatários da petição, que será disponibilizada online na plataforma Avaaz para novas adesões, figuram nomes ligados à música, como Paul McCartneyMadonna e Chico Buarque; e ao cinema, como os atores Brad Pitt e Richard Gere, as atrizes Meryl Streep e Glenn Close, e os cineastas Oliver StonePedro AlmodóvarAlfonso Cuarón e Fernando Meirelles. A lista inclui também o escritor Mario Vargas Llosa, a modelo brasileira Gisele Bündchen, o príncipe Albert de Mônaco e o cientista brasileiro Carlos Nobre.

— Fernando Meirelles produziu um curto vídeo, com cerca de 20 fotografias de índios, para ser usado nas redes sociais. Gisele Bündchen vai ajudar também a divulgar entre seus seguidores. Vamos lançar em vários países. Tenho grande esperança de que isso possa viralizar e que leve a uma real e séria preocupação nacional — diz Salgado.

Pressão internacional

Salgado, que se tornou em 2017 membro da Academia de Belas Artes da França, passou naquele ano 20 dias em uma aldeia da etnia korubo no Vale do Javari, a segunda maior terra indígena do país. O fotógrafo brasileiro acusa o governo federal de promover um desmonte na Fundação Nacional do Índio (Funai), retirando apoio financeiro, material e humano da entidade, além de boicotar ações destinadas a proteger comunidades indígenas de invasões de grileiros. Em abril, o Ministério do Meio Ambiente exonerou diretores do Ibamaresponsáveis por operações contra madeireiros e garimpeiros. As exonerações ocorreram duas semanas após o Ibama realizar uma série de operações no Pará contra invasores de terras indígenas.

De acordo com Salgado, o Vale do Javari conta com a maior concentração de população isolada do mundo, mas tem sido alvo de invasões, denunciadas por entidades indigenistas, tanto do garimpo e da extração ilegal de madeira quanto de grupos religiosos. Para o fotógrafo, uma pressão internacional a exemplo da que se formou durante as queimadas da Amazônia, no ano passado, pode incentivar uma tomada de posição por parte do governo federal.

— Nesta pandemia, o governo federal está preocupado com um resultado econômico, possivelmente, para ter um resultado eleitoral, e com uma posição muito incoerente em relação à proteção dos indígenas. Todas as ações do governo brasileiro após a chegada do presidente Bolsonaro ao poder são de desestabilização dos territórios e das comunidades indígenas — lamentou.

Fonte: Jornal O GLOBO / Índios da etnia korubo no Vale do Javari, na Amazônia, em registro de Sebastião Salgado Foto: Sebastião Salgado

administrator

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Powered by