Sergipe Repórter

Sebrae-SE confirma: micro e pequenas empresas salvam economia

Desde o início da pandemia em curso que a coluna adotou uma postura clara: manter-se atenta a questões que, de alguma forma, apontem caminhos a serem seguidos em busca de minimizar os impactos desse momento tão difícil na vida de todos nós.

Por isso que, de forma também muito clara, o colunista não se furta a buscar informações junto ao Sebrae-SE, visto que a instituição tem uma produção qualificada e muito apurada em termos de dados econômicos sobre Sergipe. Assim, vamos, novamente, nos substanciar do que informa o Sebrae-SE para entendermos o momento econômico no Estado. “Uma análise feita pelo Sebrae com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia mostra que nos três primeiros meses deste ano 4.117 novos empregos foram criados em Sergipe por micro e pequenas empresas. Isso representa 100% de todas as vagas abertas durante o período no Estado. Somente em março 810 postos de trabalho foram gerados por esses empreendimentos. Foi o oitavo mês consecutivo de dados positivos. Em fevereiro já haviam sido criados outros 2110, enquanto em janeiro o saldo foi positivo em 1197 empregos. Os números deste ano são superiores ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram abertas 158 vagas. Os principais responsáveis pelas contratações são os setores de Serviços, que contribuiu com a geração de 1.677 postos de trabalho, e o Comércio, com 1.090 novos empregos. Merecem destaque ainda a Indústria de Transformação (639) postos, a Construção Civil (581), Agropecuária (110), Indústria Extrativa Mineral (11) e os Serviços de Utilidade Pública (9). “Os dados sinalizam que a recuperação econômica está acontecendo de maneira mais rápida nos pequenos negócios. Eles conseguiram se adaptar com mais facilidade a esse novo cenário e por isso conseguem gerar mais empregos. Isso serve para mostrar o quanto esses empreendimentos são fundamentais para a nossa economia e merecem receber apoio do poder público para continuar funcionando”, explica o superintendente do Sebrae em Sergipe, Paulo do Eirado. O cenário positivo nas micro e pequenas empresas é oposto ao verificado nos médios e grandes empreendimentos sergipanos. Enquanto os pequenos negócios contrataram, os empreendimentos de maior porte registraram o fechamento de 4.663 empregos no estado. Os números são piores inclusive que os obtidos no primeiro trimestre de 2020, época em que foram perdidas 4.500 vagas. Nas médias e grandes empresas os setores que mais demitiram foram a Indústria de Transformação ( -2864 postos de trabalho), Serviços ( -687), Agropecuária (-656). O Comércio ( -232), a Construção Civil (- 140), os Serviços de Utilidade Pública (- 47) e a Indústria Extrativa Mineral (- 37) foram outros que registraram dados negativos”. O matéria produzido pela comunicação do Sebrae-SE reforça uma opinião que o colunista sempre fez questão de emitir neste espaço: em tempos economicamente tão difíceis, o incentivo ao micro e ao pequeno empreendedor pode ser a válvula de escape necessária para reduzir as pressões que o desemprego ocasiona. Que as micro e pequenas empresa prossigam assim, sendo a luz no fim do túnel, ainda que o fim do túnel siga muito distante enquanto a imunização da população não se universaliza, né isso?

Georgeo na ativa

O deputado estadual Georgeo Passos (Cidadania) fez a leitura do requerimento de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia em Sergipe, na sessão plenária desta terça-feira (04).

Georgeo na ativa 2

A finalidade da CPI será investigar as ações e omissões do Governo Estadual no combate à pandemia do novo Coronavírus, especialmente acerca da aplicação dos recursos destinados pelo Governo Federal. Além disso, a compra milionária dos respiradores feita pelo Consórcio do Nordeste também será alvo de investigação da CPI.

Sala Lilás

Em tramitação na Assembleia Legislativa de Sergipe, Indicação 136/2021, de autoria da deputada estadual Goretti Reis (PSD), que solicita a implantação da ‘Sala Lilás’, nas delegacias dos municípios, que não dispõem de atendimento especializado às mulheres vítima de violência doméstica. Na manhã de hoje, 4, a parlamentar, solicitou apoio e empenho por parte do secretário da Segurança Pública de Sergipe e da Polícia Civil para a concretização desta Sala. Local adequado e acolhedor para às vítimas.

Sala Lilás 2

Em reunião com a deputada Maisa Mitidieri e com a promotora de justiça Cecília Nogueira, que discutiram meios para viabilizar a iniciativa, Goretti sugeriu, inclusive, disponibilizar emendas parlamentares, para contribuir com a estruturação do local de acolhimento às mulheres vítimas de violência. “Precisamos minimizar o sofrimento dessas pessoas. Fazer a denúncia é preciso, mas é um transtorno para elas. Não as acolher de forma adequada, é revitimizá-las. A cor da sala é devido ao Movimento Nacional, Agosto Lilás, mês de conscientização pelo fim da violência contra a mulher. A campanha foi criada em referência à sanção da Lei Maria da Penha”, explicou Goretti.

FRASE

“Dados sinalizam que recuperação econômica acontece mais rápida nos pequenos negócios”

Paulo do Eirado, sup. do Sebra-SE

Sobre geração de emprego por micro e pequenos

Por: Anderson Christian I Correio de Sergipe e no AJN1

Related Articles

Abra aqui
Posso ajudar?