Sergipe Repórter

Servidores da Polícia Civil denunciam corte no pagamento de horas extras trabalhadas

É de insatisfação o sentimento relatado pela categoria da Polícia Civil de Sergipe, que engloba desde agentes a escrivães e delegados. Segundo os relatos apresentados ao Fan F1, no mês de dezembro, os contracheques dos profissionais sofreram um corte de mais da metade das horas extras trabalhadas e a serem recebidas.

“A gente lamenta muito, pois foram horas trabalhadas pelos policiais. Assim que tivemos notícia de tal manobra desrespeitosa para com os trabalhadore, mantivemos contato com a Delegada-geral em substituição, Rosana Freitas, que também é Policial Civil, e esta justificou que a gestão da PCSE cumpriu com todos os seus deveres, sendo que tal corte foi promovido pela Secretaria de Estado da Fazenda”, disse o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol), Adriano Bandeira.

Estas horas a título de “Indenização por Flexibilização Voluntária” desse contingente teriam sido trabalhadas no mês de novembro e deveriam ser pagas neste mês de dezembro, o que não foi possível devido a um “corte parcial” e “aleatório” das horas apontadas realizado pela Secretaria de Estado da Administração.

“O Sinpol Sergipe acompanhará de perto essa situação para que ela seja resolvida o mais brevemente. Caso isso não ocorra, não mediremos esforços no sentido de ingressar com medidas judiciais com a finalidade de reprimir essa irresponsabilidade governamental”, completou Adriano.

Questionado sobre o assunto, o superintendente de comunicação do Governo do Estado, Givaldo Ricardo, informou que não houve “corte”, como o exposto, mas uma adequação das folhas de pagamento, devido a muita demanda e falta de logística. Foi exposto ainda que a quantia referente a horas extras trabalhadas por estes servidores deverá ser paga no mês de Janeiro de 2022.

Portal FanF1

Related Articles

Abra aqui
Posso ajudar?